Meditação ocidental e oriental

Confira como foi a Semana da Saúde Vidya

17 abril 2017

A semana entre 7 e 14 de abril foi movimentada no Vidya: contou com palestras educativas, aulas de Vidya Yoga ao ar livre, práticas especiais de meditação, Yogaterapia, sessões de massoterapia e muito mais. Muitos destes eventos foram gratuitos ou ofereceram descontos especiais para estimular os participantes a refletirem sobre seu maior bem: a saúde.

Afinal, segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), a saúde em si é “um estado completo de bem-estar físico, mental e social e não apenas a ausência de doença ou enfermidade”. Uma definição que complementa a missão da Filosofia Vidya de desenvolver a mente, corpo, emoção e espiritualidade das pessoas.

Este ano, o evento foi uma iniciativa da Clínica Vidya, com apoio das Unidades de Curitiba e São Paulo. Cada estabelecimento montou uma programação diferenciada para estimular hábitos de vida saudável, em homenagem ao Dia Mundial da Saúde, comemorado em 7 de abril pela Organização Mundial da Saúde (OMS). Confira as fotos!

Ásana, um estado de ser

4 abril 2017

Este foi o tema do curso que movimentou a Unidade Perdizes (SP) no último final de semana (31/03 e 01/04). A Mestra Gita Satyanarayána ministrou no local três módulos sobre ásanas, mesclando teoria e prática sobre as posições psicofísicas do Yoga.

O evento conduziu os participantes ao autoconhecimento, por meio dos conceitos da Filosofia Vidya.

Confira as fotos e depoimentos de participantes:

 

“Foi muito gostoso. Tanto por conhecer a Mestra, como conhecer mais sobre o Vidya. Me deixou com bastante vontade de participar de outros cursos e palestras da Mestra, conhecer o Ashram e saber mais sobre a Filosofia.”

Kirsten Dauch

“Eu adorei o curso, foi além das minhas expectativas, praticamente uma terapia em grupo. Gostaria que tivessem mais cursos assim.”

Bianca Cerri Camargo

“Foi uma oportunidade única poder fazer o treinamento de ásanas com a Mestra Gita. Foi um momento de autoconhecimento intenso e, por isso, muito difícil, uma vez que a Mestra focou em exercícios de força e trabalho muscular, que eu tenho maior dificuldade. Me sinto mais fortalecida ao final, mas, principalmente, com uma visão mais clara do quanto eu ainda devo me fortalecer e evoluir. Hoje adquiri convicção de que é isso que eu preciso para mim, força, determinação e coragem. Não tenho como agradecer. Vidya!”

Amanda Leite Lombardi

“O curso foi fundamental para a minha evolução na prática, levando a consciência a pontos jamais imaginados por mim antes. Gostei muito das aulas, tanto teórica como prática, que se complementaram. Pretendo participar das próximas vezes que a Unidade promover eventos assim. Foi muito gratificante conhecer a Mestra Gita, espero vê-la novamente!”

Ana Luiza Zanquetta de O. Lima

“A palestra e a aula prática foram de grande valia para conhecer melhor a Filosofia Vidya. Os temas abordados despertaram grande interesse em aprofundar-me na Filosofia, por estarem muito alinhados às minhas crenças. Vidya!”

Carlos Gustavo Barruffini

“Gostei muito do curso de ásana. Puder ver de forma mais completa o que é o Vidya e qual a conexão com a meditação e, por fim, a conexão com o cotidiano. Yoga é uma filosofia de vida, porque tem impacto no nosso cotidiano e nas nossas sensações. Recomendo para qualquer um a prática deste curso. Estou muito feliz por ter feito.”

José Venâncio Hernandes Wascheck

“Participei da palestra e da prática. Ambos foram incríveis e me permitiram uma nova visão do que realmente é um ásana, quais os benefícios e a importância de focar não apenas no corpo físico durante a prática. A palestra foi esclarecedora e inspiradora, mas a prática com a Mestra foi uma experiência única. Espero poder participar de mais palestras e práticas do Vidya, como meditação, pránáyáma, kriyas, entre outros. Muito obrigada por tudo! Vidya!”

Isabela Ramalho Rodrigues

“Participei da prática e foi uma experiência incrível. Além da correção dos ásanas, a determinação e a força instigadas pela Mestra foram bem importantes e, com certeza, vou levar para além da prática. A parte teórica e a Filosofia apresentada foram bem interessantes e me fizeram refletir bastante.”

Luciana Tomy Ribeiro

Fique de olho: teremos mais cursos e vivências semelhantes ao longo do ano. Confira a nossa agenda!

 

Quais as dimensões da intolerância religiosa no Brasil?

1 abril 2017

Confira na íntegra o texto do Mestre Uberto Gama apresentado para turma do curso superior de Teologia, da UniCesumar (PR):

Senhores Professores,

 

O nosso Brasil é um país imenso e é um grande mosaico de expressões religiosas das mais variadas. Isso vem desde o cristianismo católico inicial, quando as diversas nações europeias invadiram nossa terra, impondo no curso da história uma diversificação imensa de vertentes cristãs e, posteriormente, forçando a ampliação dos cultos afrobrasileiros, cujas experiências, crenças e tradições foram trazidas pelos escravos vindos da África. Ainda, misturadas à religião indígena local, se desenvolveram e se ramificaram enormemente, preenchendo um espaço frustrado de uma fé imposta.

Tudo isso faz parte da nossa história e da nossa cultura, das nossas crenças trazidas pelos europeus misturadas com as crenças dos nativos originais deste país, e até mesmo a invasão de outras seitas e crenças esotéricas. Aceitemos isso ou não, é um fato!

Com todo respeito, do meu ponto de vista, nosso país ainda não está preparado nem mesmo para uma democracia política madura e sensata, e muito menos para uma religiosidade aberta, ecumênica e consciente. Um exemplo é quando conhecidos, de diversas concepções cristãs, se reúnem para um café e iniciam a acirrada discussão sobre a Bíblia e a competição de egos para ver quem é o melhor e quem tem mais conhecimento. Ora evangélicos ofendem católicos, ora católicos fazem o mesmo com evangélicos e, muitas vezes, ambos se reúnem para atacar o espiritismo e outras religiões e filosofias. Amizades são desfeitas pela imaturidade espiritual e pela prepotência de que “a nossa igreja é a melhor que a sua”. E por aí vai. As guerras foram construídas pela indústria armamentista e estimuladas pela intolerância de mentes fanáticas e desajustadas.

Senhores, me permitam dizer que, neste trabalho, pretendo mostrar que vemos diariamente o preconceito racial e religioso em nosso país, fruto da nossa pequena e insignificante consciência, e também da nossa completa inconsciência espiritual. Certa vez, Mahatma Gandhi, o grande expoente, advogado e filósofo hindu, disse ao almirante Louis Mountbatten, oficial superior da Marinha Real Britânica: “Almirante, todos somos crianças aos olhos de Deus”.

No Brasil, a Constituição Federal prevê que a Igreja e o Estado não se misturam, afirmando que o Estado é laico. Mas ainda hoje, pasmem (!), apesar da mudança de algumas posturas e da melhora, mesmo que pequena, da consciência social, encontramos ainda em nossos tribunais, afixada no alto, acima da cabeça de alguns magistrados, a cruz cristã afirmando a fé católica! Ora, isso não é correto! Afirmamos pela lei uma coisa, mas demonstramos outra.

(…) Quando, pessoalmente, eu ministro alguma palestra sobre hinduísmo, budismo e Filosofia Vidya, reencarnação e ressurreição, Karma e Dharma, alguns cristãos se afastam e me olham com olhos de condenação ou com olhos de comiseração e piedade. Querem me fazer sentir culpado por não declarar o mesmo credo que eles. Porém, em nenhum momento faço o mesmo com eles. Ao contrário, tento me aproximar, discutir sobre as passagens do evangelho cristão, tento ser amigável e debater com amadurecimento. Fiz Teologia exatamente para compreender melhor o pensamento do cristão, entender corretamente a história do cristianismo e tentar perceber porque há tanta discórdia. Fui homenageado com o título de Ministro da Igreja da Vida Universal, nos Estados Unidos. Mas, antes disto, fui consagrado Brahma Rishi e Yoga Guru na Índia, em 1994, pelo Vishwa Unnyayan Samsad (World Development Parliament).

(…) Hoje, a nossa legislação proíbe a intolerância religiosa, mas somente depois de ver o exemplo de outras grandes nações a respeito do tema. Essa falta de habilidade, consciência e condescendência em reconhecer e respeitar as diferentes crenças e religiões é que produz a desarmonia e a falta de amor entre as pessoas aqui no Brasil e também em qualquer outro País no mundo. Não foi isso que Jesus, o Cristo, ensinou. Mas, é assim que as pessoas agem. Vemos a intransigência e a maldade humanas sendo vigorosas e bárbaras, tal como na Idade Média, com a incompreensão de outras crenças, seitas ou religiões em solo brasileiro. Falta-nos apenas a pena, o pergaminho, a fogueira e a inquisição dos sacerdotes hipócritas que não toleravam sob hipótese alguma quem não aceitasse Jesus como senhor e único salvador. Isso é um disparate total! Não foi isso que Jesus veio ensinar. Ele pregou “amar uns aos outros”. E amar significa também tolerar, condescender e consentir que cada um trilhe seu próprio caminho, tenha suas próprias experiências e vivências, mas dentro do amor e da verdade.

(…) Assim, apesar dos esforços da ONU e de outros organismos internacionais promotores da paz, a raiz da intolerância religiosa, infelizmente, continua presente em diversas áreas da sociedade e lares brasileiros. Continua presente no meio das religiões que causam a discórdia e semeiam o mal.

(…) Nós, como teólogos e gestores espirituais, devemos nos empenhar para elucidar e iluminar a todas as mentes humanas para conduzirmos todas as pessoas com ética, respeito, fraternidade e amor. Somente dessa forma, poderemos eliminar todos os problemas humanos e sociais, seguindo em direção de Absoluto Onipotente. Essa é a meta. No final de nossas vidas, nada de material ou científico importará; no final de nossas vidas, não importará se somos católicos, protestantes, crentes, batistas, budistas, hindus ou muçulmanos. A única coisa que valerá é o bem que tivermos feito uns para os outros com os instrumentos que tivemos em nossas mãos.

 

Confira a programação da Semana da Saúde

14 março 2017

A melhor saúde é aquela em que se pode viver plenamente.

Em mais uma iniciativa para promover a saúde integral, a Clínica Vidya e as Unidades Vidya, em Curitiba e São Paulo, contarão com uma série de atividades abertas ao público na Semana da Saúde, de 7 a 14 de abril.

Confira abaixo a programação completa e participe (clique na imagem para ampliar):

 

REVISTA VIDYA NEWS


Confira em primeira mão nossas novidades.
Leia nossa revista ONLINE!